30/10/2012

212 - Sem nome




O que eu quero ainda não tem nome


1 comentário:

  1. Contento-me em desejar tão pouco, talvez porque a vida já me ofereceu
    tudo o que de bom podia desejar... que nome não é de facto importante.
    Nem peço vida...já vivi tanto em segundos ou minutos que pouco mais será o que importa.
    Hoje...também tou assim... para o meio cinzento diluído em água. Por enquanto - de chuva. E lá fora.
    E, lá fora, já me molhou.
    Beijinho.

    ResponderEliminar