24/05/2013

326 - Baptista Bastos


A certa altura da vida, começamos a aprender a esperar o tempo
A certa altura da vida, o que nos mata não são as horas
O que nos mata, são as palavras e a ausência de palavras

Baptista Bastos