04/02/2013

265 - Sanha


Na profunda calma da noite... 
Na quietude imensa do tempo...
Uma só palavra rasga a madrugada
prendo-a
se a liberto
incendeia pastagens
dá sinal que estou viva
enquanto meu sangue suba e desça 
no meu louco fôlego


1 comentário:

  1. De facto...divagas.
    Palavras só valem se derem a medida do que somos, do que sentimos.
    No fundo...podem ser uma forma de libertação, ou um veículo para a criatividade. Ou ambos.
    Deixar um beijo em palavras... consola pouco. Não traz prazer.
    Mesmo assim...eu deixo.

    ResponderEliminar