02/12/2011

62 - Não me deixes ir



Não me deixes ir embora
que eu não sei onde guardar a nossa despedida




1 comentário:

  1. Nas despedidas
    há sempre um ser que chora
    sem lágrimas vertidas...
    Ao toque da magia de outro ser
    originou emoções ensandecidas...
    entroncadas em desejos de infinito
    como ruflar leve de asa de cetim...
    Depois...perdeu-se no ar da noite
    embriagado e doce
    numa reminiscência vaga de jasmim...
    Abraço
    maria

    ResponderEliminar